Quantos anos você passou em cadeiras de escolas, faculdades, pós-graduação, cursos livres… etc? Quantas noites sem dormir estudando aquele cálculo mais complicado ou, aquela lei que permite mais de uma interpretação? Quantos finais de semana estudando Freud, Hume ou Einstein? Quantos domingos estudando marketing ou comportamento econômico? Eu penso que uma resposta comum será: Muitos. Muitos finais de semana, muitas noites, muitas horas, muitos anos de estudo e atualização sobre aquilo que está externo a nós, sobre o mundo que nos cerca; estudos que nos torna cada vez mais sábios.

Agora me diga: Quantos anos até hoje você se dedicou a se conhecer? A conhecer a sí mesmo? Na escola não existe nenhuma aula sobre “a raiva”, “a solidão” ou ainda “o sorriso”… Não houve aulas sobre o tema “minhas emoções”, ou “quem sou eu em essência em 1 ou 180 lições”.

Penso que que a maioria das respostas será: Nunca tinha pensado nisso, mesmo que a maioria de nós conhecemos a famosa frase atribuída ao filosofo chinês Lao Tsé:  “Quem conhece o outro é sábio; quem conhece a si mesmo é iluminado. “

Se vim ao mundo sem manual de instruções, tampouco existe aulas sobre como descobrir quem sou eu em minhas emoções e não acredito em mágica, a pergunta é: Como posso me conhecer?

Há varias respostas a essa questão, e considero a mais prática dentre elas o Coaching guiado por um bom método adequado e customizado ao indivíduo.  Um método que permita você conhecer a estrutura de respostas do seu cérebro, conhecer os filtros pelos quais você se relaciona com o mundo tão estudado, e que permita você se reconhecer em suas fortalezas e se aceitar.

O que me faz acreditar nas suas palavras de Lao Tsé, filósofo chinês que estima-se ter vivido há 3400 anos, é o fato de estudos recentes demonstrarem que apenas 20% das pessoas atingem seu potencial máximo de desenvolvimento. E quando olhamos e encontramos as pessoas que atingem seu potencial máximo, ou seu sucesso pessoal, declaram que se conheceram a fundo e se aceitaram; boa parte dela através de um processo de Coaching bem estruturado.

Conhecermos nós mesmos e o mundo nos torna excepcionais. Espero um dia ser comum a matérias como “primeiro amor”, “ódio”, “o sono”, “felicidade” ao lado de Geografia, Línguas e Matemática no ensino fundamental; “insegurança”, “autoconfiança” e “descobrindo o que significa sucesso para mim” ao lado de Matemática, Física e Redação para o ensino médio. Na Graduação e na Pós-Graduação, que nomes as matérias ou cursos poderiam ter?

 Santé!

Joel Falcão